Editora Games: Akiba's Trip: Undead and Undressed

Akiba's Trip: Undead and Undressed

http://editoragames.blogspot.com.br/2016/06/akibas-trip-undead-and-undressed.html#more












Akiba's Trip: Undead and Undressed

Akiba’s Trip: Undead & Undressed é um jogo para Playstation Vita, PS3 e PS4. No Japão, o game é conhecido como Akiba’s Trip 2. Prepare-se para embarcar em uma viagem bizarra por Akihabara, o icônico bairro de Tóquio, bastante conhecido por seus artigos eletrônicos e cultura “otaku”.


O jogo mais maluco de 2014

Quando o bairro de Akihabara é tomado por seres estranhos, meios zumbis, meio vampiros, chamados “Synthisters”, você é convocado a derrotar essas criaturas. Para isso, você deve expor a pele desses seres à luz do sol. Isso é conseguido simplesmente arrancando as roupas dos “Synthisters”, algo que sempre é feito de uma maneira totalmente constrangedora.

A introdução do game é bastante longa com muitos diálogos sobre o enredo. É fácil se irritar com essa decisão de design, pois o enredo e diálogos de Akiba’s Trip pouco influenciam na narrativa do jogo. O enredo envolve uma conspiração mundial para explorar jogadores através da venda de jogos ruins.

O que chama a atenção no game é a sua ambientação. O jogo conta com 130 estabelecimentos que realmente existem, e vão desde lojas de eletrônicos, passando jogos de DVDs, mangás, máquinas de gashapons e muito mais. Também durante a jogatina é possível encontra pôsteres com promoções de animes e mangás que estão realmente acontecendo no Japão.

Hilário e polêmico ao mesmo tempo

O plot maluco de Akiba’s Trip: Undead & Undressed só é igualmente comparado a sua jogabilidade bizarra. No comando de um personagem chamado apenas de “protagonista”, o jogador deve utilizar um notebook para golpear os “Synthisters”, que por ventura, são idênticos a pessoas comuns. Curiosidade: “Synthisters” tem uma pronúncia muito parecida com “Citizens”, que poderia ser traduzido para cidadãos.

O personagem do jogador é acompanhado por uma menina fofinha, mas muito violenta. A visão é em terceira pessoa com jogabilidade no melhor estilo hack’em slash. As lutas são simples, e durante os combos, você poderá fazer uma finalização que arranca a roupa do inimigo, sempre de maneira muito cômica ou bizarra.

O jogo é todo com visual de anime, então se você procura personagens de anime com pouca roupa, encontrará aos montes em Akiba’s Trip: Undead & Undressed. Durante as lutas contra inimigos mais fortes, será possível arrancar suas roupas e ver uma pequena arte, ainda mais apelativa que as cenas “in game”. É o tipo de jogo que é constrangedor de se jogar em frente à família. Não é à toa que a classificação indicativa de Akiba’s Trip seja para maiores de 16 anos.

Divertido até certo ponto

A jogabilidade de Akiba’s Trip é básica. Há um sistema de exploração e side quests que fazem o game ganhar alguns pontos na nossa avaliação. O passeio virtual por Akihabara vale a pena se você é fissurado em animação japonesa. No mapa, você encontrar os pontos importantes de interação e poderá escolher uma missão, ou apenas passear pelas lojas.

Apesar do foco nas missões para derrotar os “Synthisters”. O game conta com side quests simples como encomendar dvds ou sair para fazer compras com a irmã do protagonista. Claro que os passeios serão agitados com a presença constante de inimigos.

As lutas são engraçadas, mas rapidamente caem na mesmice. A variação fica por conta das roupas dos personagens às quais você vai arrancar. No começo, muitos personagens são praticamente idênticos, mas haverá variação nas proporções do corpo deles. É possível arrancar completamente a roupa das garotas e garotos “Synthisters”, mas é claro que o jogo conta com uma censura para não mostrar partes íntimas.

Visual simplório e ação repetitiva

Ao que parece, Akiba’s Trip: Undead & Undressed foi um jogo pensado originalmente para Playstation Vita. Os gráficos são muito simples e os modelos dos personagens parece ter saído da geração retrasada.

Um dos grandes pontos negativos do jogo não é fato dele ser indicado para apenas um público, os amantes de anime, mas sim, possuir mecânicas de combates muito repetitivas. Há evolução dos personagens consiste apenas em novas roupas que dão novos atributos. Mas o sistema de combos e golpes, principal elemento da jogabilidade de games de beat’em up e hack’em slash, fica muito aquém do mínimo que o jogo precisa, extremamente repetitivo.

Fonte: Techtudo/Dário Coutinho


Informações Técnicas

Data de Lançamento: 26/02/2006
Distribuidora: Acquire
Desenvolvedora: Xseed Games
Número de Jogadores: 1
Opção Multiplayer: Sim
ESRB: +17 anos
Plataformas: PC/PS3/PS4/PSVita







Nenhum comentário:

Postar um comentário